Agora (2009)

Hypatia é uma filósofa determinada, apaixonada por astronomia e dotada de um espírito crítico e racional. Apesar de ter nascido numa época conturbada religiosamente, Hypatia passa os seus dias na grandiosa biblioteca de Alexandria. Contudo, com a recente ascensão do Cristianismo, a vida da filósofa começa a correr perigo, pois os fundamentalistas começam a perseguir os seus “inimigos”, entre eles, os Judeus e as mulheres.

Agora é uma super produção espanhola, realizada por Alejandro Amenábar, que contou com uns impressionantes 70 milhões de euros de orçamento! Apesar de todo o dinheiro envolvido, o filme não envereda por caminhos comerciais, como é apanágio de muitos filmes feitos em Hollywood. É um filme de autor, e isso reflecte-se na condução da  narrativa.

Narrativa que se divide em três, isto é, acompanhamos um triângulo amoroso, conflitos religiosos da altura e os avanços na astronomia por parte de Hypatia. O triângulo amoroso é  o menos destacado dos três, mas igualmente importante para a conclusão da trama. E um dos problemas de Agora é a maneira como tudo é interligado, pois Amenábar quer abordar tanto, que algumas vezes fica a sensação de um “encher chouriços” no ar.

A cidade de Alexandria é cuidadosamente recriada. O visual é absorvente e nem a maravilha do mundo, O Farol de Alexandria, é descurado. Contudo, achei exagerados os planos aéreos do realizador. Bastava uma ou duas vezes o mesmo plano, para ficarmos com a noção de quanto pequeninos nós somos. Mas, no geral, a realização é segura.

Este Agora vale sobretudo pela coragem com que Amenábar abordou o fundamentalismo inerente ás religiões. Hypatia, uma mulher à frente do seu tempo, e a biblioteca de Alexandria que albergava um ”mundo” de conhecimento, foram destruídas pela ignorância, maldade e extremismo de pessoas que querem impor um tipo de religião à força. Rachel Weisz é a grande estrela da produção, mas não posso deixar de salientar a poderosa actuação de Max Minghella.

Em suma, posso dizer que a fita agradou-me. Apesar de por vezes achar existe algum floreado desnecessário, não posso negar que gostei de conhecer Hypatia e da abordagem do realizador nas religiões como barreira ao avanço do conhecimento de antigamente. A dar uma espreitadela.

De Positivo: Rachel Weisz. A recriação de Alexandria. A abordagem ao fundamentalismo religioso.

De Negativo: Alguma palha no argumento. Excesso e repetição de planos por parte de Amenábar.

7/10

Autor: Ricardo JM Vieira

Tenho a mania das artes e acho que o sentido de humor é das melhores coisas inventadas pela humanidade. Eu, pelo menos, gostava de ter.

3 thoughts on “Agora (2009)”

  1. Cada vez gosto mais das tuas análises! Cada vez mais completas com pormenores que todos eles acho importantes e por isso espero vê-los nos próximos artigos!

    Entretanto, gostaria de novamente “bater” no mesmo assunto: É preferível qualidade que quantidade. Por isso, prefiro esperar e ver artigos assim com esta qualidade.

    Parabéns.

    Abraço,
    Claudio Novais.

    Gostar

    1. Muito Obrigado, Cláudio! Fico contente com as tuas palavras.

      Ainda bem que “bates” no mesmo assunto. Faz-me reflectir bastante. Vou tentar continuar com este tipo de artigos.

      Abraço.

      Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s