Helix: o vírus dos imortais

Uns dias atrás, quando navegava pela lista das séries que a Netflix carinhosamente recomenda que veja, deparei-me com uma que captou a minha atenção.

Normalmente, costumo informar-me um pouco antes de começar uma série. Fazer uma espécie de filtragem, para que não sinta que vá desperdiçar o meu precioso tempo.

Mas, com Helix, perdi a cabeça. Comecei a ver sem saber ao que ia, apesar de no fundo sentir que iria ver uma série medíocre.

Continue reading “Helix: o vírus dos imortais”

Shovel Knight: um jogo essencial na Nintendo Switch

Mais um belíssimo jogo Indie que estava curioso para experimentar. Foi por isso, com pouca hesitação, que decidi comprar mal ficou disponível na Nintendo Switch.

Foi anunciado como um regresso ao saudoso tempo em que reinavam os jogos de plataformas nas consolas de 8 bits e, como passei a minha infância com a NES, tinha a certeza que Shovel Knight seria um festim para mim.

Continue reading “Shovel Knight: um jogo essencial na Nintendo Switch”

The Mummy: o início, ou talvez o fim de uma nova saga

Ao que parece a Universal pretende trazer para o grande ecrã diversos monstros clássicos e fazer, à semelhança da Marvel e da DC, um conjunto de filmes interligados entre si com personagens que transitam de um filme para o outro à medida que vão sendo adicionadas novas..

O primeiro filme desta nova saga foi The Mummy, uma nova adaptação modernizada do clássico de 1932 com o grande Boris karloff no papel da decrépita múmia.

Continue reading “The Mummy: o início, ou talvez o fim de uma nova saga”

Retro City Rampage DX: o GTA pixelizado

Sempre tive bastante interesse em jogar este jogo. Parecia-me ser uma espécie de GTA pixelizado, com muita destruição, ação e loucura . Então eis que cinco anos após o seu lançamento, decido arriscar a compra de Retro City Rampage DX na minha Nintendo Switch.

Este é um projeto quase na sua totalidade a solo. Brian Provinciano criou o seu próprio kit de desenvolvimente NES e começou por tentar adaptar um dos seus jogos favoritos, o GTA III, em 8 bit. O jogo chamar-se-ia Grand Theftendo.

Continue reading “Retro City Rampage DX: o GTA pixelizado”

Kamiko: uma pequena pérola indie

Kamiko é um jogo extremamente curto. A primeira vez que joguei terminei a campanha numa hora e vinte sete minutos. A segunda vez demorei ainda menos tempo!

A curta duração é um pequeno “problema”, mas o jogo compensa com uma jogabilidade bem viciante e interessante. Para além disso, adorei o pixel art apresentado e a ambientação tipicamente oriental.

Continue reading “Kamiko: uma pequena pérola indie”