Pokémon Quest – o meu primeiro Pokédex

Pokémon QuestA febre Pokémon começou em 1996, mas só em 2018 é que tive a oportunidade de jogar um jogo do franchise. A verdade é que Pokémon passou muito bem sem mim e agora é um franchise multimilionário que se expandiu para além dos videojogos.

Continuar a ler

Publicado em Geek | Etiquetas , , ,

A minha experiência com a Mi Band 2

Agora que saiu a Mi Band 3 e como utilizei a Mi Band 2 desde Dezembro do ano passado, pareceu-me ser uma boa altura escrever algumas palavras acerca da mesma.

Continuar a ler

Publicado em Geek | Etiquetas ,

Fairune Collection – aventuras retro

Fairune CollectionConfesso que nunca tinha ouvido falar dos jogos incluídos nesta coleção, mas quando soube que os criadores eram os mesmos que tinham trazido até mim Kamiko, tive que dar uma vista de olhos.

Continuar a ler

Publicado em Geek | Etiquetas , ,

O regresso aos universos de Fringe

Lembro-me perfeitamente de acompanhar Fringe. Recordava-me dos finais espetaculares, sempre inesperados, de temporada. Recordava-me do elenco fortíssimo. Recordava Walter Bishop com saudosismo. A sua demanda e o seu amor pelo filho, filhos, inabalável. Recordava Peter Bishop, o filho, que se tornou pai. Olivia Dunham a agente “sem emoções” que afinal era a mais emotiva. Astrid, a quem Walter trocava sempre o nome. Broyles ,com a sua postura. Nina Sharp, Belly, etc.

Continuar a ler

Publicado em Derivados | Etiquetas ,

Celeste: uma jornada até ao coração da montanha

Confesso que não sabia nada acerca deste jogo até começar a ler diversas opiniões positivas. Confesso, também, que já o terminei há umas semanas atrás. Provavelmente toda a gente já conhece os encantos da pequena Madeline, mas enfim, fica aqui mais uma opinião positiva de Celeste.

Continuar a ler

Publicado em Geek | Etiquetas , , ,

Annihilation: onde está a Área X?

Como filme “independente” está bom.

Como adaptação do livro bastante fraco.

Eu detesto comparar adaptações, mas senti-me extremamente desiludido pela opções que Garland tomou. O filme tem os seus momentos, é verdade. Alguns deles particularmente perturbadores e visualmente espectaculares, mas falta ali muita substância, muita metafísica, muita introspecção, muita estranheza e, por mais incrível que pareça, falta a “Torre” e o “Rastejante”.

Na verdade, diria que falta a “Área X”!

Recomendo vivamente o livro.

Publicado em Cinema | Etiquetas , ,

Rime: a dor de deixar ir

Lembro-me perfeitamente de ter ficado muito agradado com o trailer de apresentação de Rime na Gamescom de 2013. Esteticamente lindíssimo, a fazer-me lembrar The Legend of Zelda: The Wind Waker, soube naquela altura que seria um jogo a experimentar.

Continuar a ler

Publicado em Geek | Etiquetas , , ,