Em destaque

O melhor do ano de 2015, aqui no 35mm”

No ano do senhor de 2015 registei no meu perfil do Letterboxd 60 filmes. Vi mais, mas ás vezes é impossível fazer o registo em tempo útil e depois, por preguiça ou esquecimento, a coisa fica por registar.

Nada que me atrapalhe em demasia.

Sendo assim, desses 60 filmes, escrevi a minha opinião acerca de 53 aqui no estaminé. Isso eleva o total de críticas disponíveis para consulta para 365. Belo número.

Ora então vamos dividir os filmes que vi por preferência pessoal:

The ABCs of Death 2 (2014)

Andava com a sensação de ter visto um filme e não ter escrito nada sobre ele aqui no estaminé. Não é que seja algo de grave ou sequer interessante, mas era uma sensação incómoda, que me estava a perturbar.

Foi então que, ao fazer scroll pela minha pasta de filmes que utilizo como cobaias para eventuais compras legais, vislumbrei «The ABCs of Death 2» e fez-se luz!

Era este o filme que andava a assombrar os meus pensamentos!

Na verdade, estou a exagerar, mas como não tenho nada para fazer nos próximos 20 minutos, decidi escrever algumas palavras acerca do filme.

«The ABCs of Death 2», à semelhança do filme anterior, é uma coleção de 26 curtas-metragens em que, cada uma dessas curtas, retrata a morte relativamente a uma letra do alfabeto.

Todas as curtas são independentes umas das outras, e com realizadores diferentes. Existem animações, stop motion, curtas perturbadores, esquisitas, humorísticas, bizarras, etc.

Apesar de nem todas me terem agradado, tenho que dizer que outras o fizeram. Existe para ali muita diversidade e material de interesse. Acho, inclusive, que algumas curtas, com mais alguns minutos seriam fantásticas.

É a falta de equilíbrio (e de tempo) que prejudica este «The ABCs of Death 2», mas no final vi mais aspetos positivos do que negativos. Para os curiosos, especialmente para os fãs de terror, acho que vale uma espreitadela.

★★★

Ondas gravitacionais? Sim, existem.

Albert Einstein, na sua teoria da relatividade, previu as ondas gravitacionais há 100 anos atrás.

A previsão passou a realidade, pois cientistas detetaram, diretamente essas ondas.

É uma descoberta fascinante e mais uma pequena ajuda para o estudo e compreensão do Universo.

Tal como à nossa escala a queda de um seixo num lago produz ondinhas que deformam a superfície da água, as ondas gravitacionais deformam o “tecido” do espaço-tempo – e, por conseguinte, os objectos que atravessam –, ao propagarem-se pelo Universo à velocidade da luz. – Público

Essas ondas (ainda) não se podem ver, mas podem-se ouvir.