A Jessica Biel é uma pecadora

Não é que a Jessica Biel ou o Bill Pullman sejam sinónimos de entretenimento de qualidade. Na verdade, acho que o último filme que vi com a Jessica foi The Tall Man (meh) há uns três ou quatro anos e com o Bill, nem sei bem, talvez o Independence Day (o primeiro Independence Day).

Contudo é sempre bom ver caras conhecidas nos cartazes de séries, nem que sejam aquelas caras que já não vimos há imenso tempo e só temos borrões como memórias dos seus papéis.

Esta série original da Netflix conta a história de Cora, uma mãe, aparentemente normal, que faz parte de uma família normal e que, no intervalo dos afazeres diários, numa ida à praia com o marido (o irmão perdido do Jon Snow!) e o filhote pequeno, tem um ataque de fúria e mata um jovem violentamente, esfaqueando-o até à morte.

Ninguém parece perceber o que raio aconteceu, como aconteceu e porque aconteceu, nem a própria autora do crime mas, para o detetive Harry Ambrose, algo teve que despoletar o ataque. E, a medida que vai entrevistando testemunhas e conversando com Cora, começa a perceber que o passado dela, afinal, parece ser mais sombrio do que aparentava.

A história é suficientemente intrigante e misteriosa, levando a que quem está a ver mantenha o seu interesse e a vontade em ver o episódio seguinte, apesar de existirem alguns lugares comuns e artifícios que, sinceramente, não me agradam muito. Falo, nomeadamente, da amnésia da mulher e do método utilizado para “desbloquear” essa mesma amnésia.

Não será, também, difícil perceber o que despoletou o ataque de Cora, ao fim de alguns episódios. Mesmo que adivinhem, isso não torna a revelação menos conseguida.

Para ser sincero, achei The Sinner minimamente cativante. Fosse ela mais longa, e o mais certo era acabar por ficar farto, mas com oito episódios a coisa acabou por fluir bem.

Jessica Biel e Bill Pulman estão bem nos papeis, o mistério principal é intrigante q.b., os valores de produção suficientemente bons e, mesmo com alguns clichés, cheguei ao fim razoavelmente satisfeito.

Quem gostar de thrillers com algum mistério, poderá ter aqui uma boa solução para aquelas tardes/noites mortas.

A segunda temporada de Stranger Things

Falei aqui da primeira temporada e devo dizer que a minha opinião é mais ou menos a mesma em relação à segunda. Todos os ingredientes que fizeram de Stranger Things um sucesso, continuam presentes.

Achei que as personagens continuam cativantes, a banda sonora mantém a sua excelência, todo o ambiente tipicamente característico dos anos 80 está bom e recomenda-se e a história é suficientemente interessante.

Talvez tiraria algum background que foi dado à Eleven, mas compreendo que tenham tentado “humanizar” mais a jovem. No entanto, pareceu-me que os episódios centrados em Eleven eram os mais aborrecidos e aqueles que destoavam do resto que ia acontecendo.

Acho que a força de Stranger Things reside no grupo, nos caça-fantasmas, e no dinamismo que eles todos juntos trazem.

Espero pela terceira temporada com alguma expetativa.

ps: não sei bem porquê, mas achei esquisito ver a Eleven com aquele cabelo.

O Netflix está a chegar a Portugal

Um dos efeitos do aparecimento de um serviço como o Netflix é que estimula os incumbentes a disponibilizar novas opções nos seus serviços de vídeo a pedido (video on demand). Em todas as geografias para onde vamos há sempre um efeito muito positivo para os consumidores, porque obriga os concorrentes a melhorar as ofertas.

São declarações do presidente-executivo do Netflix em entrevista ao Expresso. O serviço chega a Portugal este mês e promete agitar o mercado.

A maioria da malta esperará então pelas melhorias que o Netflix irá trazer ao Popcorn Time.

Estará a Netflix a fazer uma série de The Legend of Zelda?

The Legend Of Zelda

O presidente da Nintendo, Satoru Iwata, tem vindo a dizer que a companhia japonesa está a estudar formas de expandir o seu portefólio, para além dos videojogos.

No entanto, confesso que fui apanhado de surpresa quando andava pelo meu feed de notícias do facebook, e deparei-me com a notícia que o franchise «The Legend Of Zelda» iria ser adaptado a uma série.

Continue reading “Estará a Netflix a fazer uma série de The Legend of Zelda?”