Não é que a Jessica Biel ou o Bill Pullman sejam sinónimos de entretenimento de qualidade. Na verdade, acho que o último filme que vi com a Jessica foi The Tall Man (meh) há uns três ou quatro anos e com o Bill, nem sei bem, talvez o Independence Day (o primeiro Independence Day).

Contudo é sempre bom ver caras conhecidas nos cartazes de séries, nem que sejam aquelas caras que já não vimos há imenso tempo e só temos borrões como memórias dos seus papéis.

Esta série original da Netflix conta a história de Cora, uma mãe, aparentemente normal, que faz parte de uma família normal e que, no intervalo dos afazeres diários, numa ida à praia com o marido (o irmão perdido do Jon Snow!) e o filhote pequeno, tem um ataque de fúria e mata um jovem violentamente, esfaqueando-o até à morte.

Ninguém parece perceber o que raio aconteceu, como aconteceu e porque aconteceu, nem a própria autora do crime mas, para o detetive Harry Ambrose, algo teve que despoletar o ataque. E, a medida que vai entrevistando testemunhas e conversando com Cora, começa a perceber que o passado dela, afinal, parece ser mais sombrio do que aparentava.

A história é suficientemente intrigante e misteriosa, levando a que quem está a ver mantenha o seu interesse e a vontade em ver o episódio seguinte, apesar de existirem alguns lugares comuns e artifícios que, sinceramente, não me agradam muito. Falo, nomeadamente, da amnésia da mulher e do método utilizado para “desbloquear” essa mesma amnésia.

Não será, também, difícil perceber o que despoletou o ataque de Cora, ao fim de alguns episódios. Mesmo que adivinhem, isso não torna a revelação menos conseguida.

Para ser sincero, achei The Sinner minimamente cativante. Fosse ela mais longa, e o mais certo era acabar por ficar farto, mas com oito episódios a coisa acabou por fluir bem.

Jessica Biel e Bill Pulman estão bem nos papeis, o mistério principal é intrigante q.b., os valores de produção suficientemente bons e, mesmo com alguns clichés, cheguei ao fim razoavelmente satisfeito.

Quem gostar de thrillers com algum mistério, poderá ter aqui uma boa solução para aquelas tardes/noites mortas.

Publicado por Ricardo JM Vieira

Vibro mais do que gostaria pelo Benfica, cinéfilo de corpo inteiro, fotógrafo de ocasião, destruidor de koopas e bokoblins, devorador de séries, leitor de fantasia, geek e nerd, não necessariamente ao mesmo tempo. Ah, e apaixonado por animais.