Ghost In The Shell (2017)

Sou um grande fã da animação japonesa. Não sei até que ponto a adaptação de Mamoru Oshii foi fiel ao manga original, mas gostei imenso de Ghost In The Shell. Achei a história muito interessante, com personagens cativantes e a banda sonora muito, muito boa

Esta incursão por Hollywood, com Rupert Sanders ao leme e Scarlett Johansson como protagonista, no final fica como uma pequena amostra do universo criado por Mamoru Oshii.

Não é tão abrangente, pois o argumento foi simplificado e Sanders optou por incluir mais ação em detrimento de diálogos e questões filosóficas.

Alguns momentos permanecem quase iguais entre este filme e o de 1995,  outros foram removidos e alguns ainda modificados, mas acho que a essência de Ghost In The Shell está presente ao longo dos 107 minutos de duração.

Espero que, pelo menos, quem veja fique com curiosidade em saber mais acerca deste universo e veja o filme original.

No fundo, não é tão cativante como o anime. Falta a beleza única do traço tradicional combinado com CGI, a complexidade e todas as questões inerentes à condição humana e a belíssima música de Kenji Kawai.

Para quem nunca viu, vale uma espreitadela. Para os fãs, talvez não.

 

1 Comentário

Deixe um Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s