A minha jornada por Star Wars

81446

Com a febre mundial pela estreia de Star Wars: The Force Awakens, pareceu-me indicado assistir aos filmes anteriores… pela primeira vez. Sim, Star Wars, para mim, tem-me passado ao lado durante estes anos todos.

Na verdade já tinha tentado ver a trilogia anterior há uns anos atrás, mas não me cativou e nunca passei do primeiro filme. Também via, esporadicamente, algumas cenas dos episódios I, II e III, quando passavam na televisão, mas nunca com a devida atenção.

Claro que conheço a história por alto. As personagens fazem parte da cultura popular, existe muito marketing e publicidade associada ao franchise e quem gosta de cinema está, quase de certeza, familiarizado com  a essência da história.

Mas todo este meu conhecimento vinha por fontes externas. Estava na altura de tentar, mais uma vez, acompanhar a jornada de Luke Skywalker contra o seu velhote, Darth Vader.

Comecei por escrever uma crítica para cada um dos filmes, mas quando cheguei a Return of the Jedi pensei que se calhar seria melhor analisar as duas trilogias em conjunto.

A New Hope, The Empire Strikes Back e Return of the Jedi

Muito bem, vamos lá ver o que achei dos episódios IV, V e VI.

Em primeiro lugar, e para afastar já eventuais fãs intolerantes, achei os três filmes “apenas” razoáveis, embora The Empire Strikes Back tenha sido uma boa surpresa. Acho até, que a loucura que os envolve é exagerada.

Mas quem sou eu para criticar todo este amor pela saga, não é verdade?

Star Wars

São filmes com inúmeros problemas, especialmente nos argumentos. Diálogos fracos, diversos clichés, personagens “quadradas” com pouco desenvolvimento, ou melhor dizendo, mal desenvolvidas, demasiado non-sense e muita conveniência em certas situações.

As atuações também não são grande coisa, especialmente no filme original de 1977, mas nesse aspeto a coisa foi melhorando nos filmes seguintes.

Esses problemas são em maior número nos episódios IV e VI.

Star Wars The Empire Strikes Back

Penso que The Empire Strikes Back, apesar de também ter algumas coisas que não me agradam, consegue ser bem mais consistente e agradável. É o melhor da trilogia original, sem dúvida.

Agora, e porque parece que só vejo problemas no filme e antes que seja trucidado pela força, tenho que dizer que os efeitos especiais trinta e tal anos depois, continuam bastante bons. Especialmente as naves. Imagino que tenham sido surpreendentes quando os filmes estrearam.

Os cenários, as criaturas e a sensação de aventura, são outros dos aspetos positivos.

Star Wars Return of the Jedi

Adoro quando me sinto a imaginar outros mundos e a pensar em todas as possibilidades que podem ser exploradas na mitologia de um filme ou de uma série. Star Wars tem disso em doses mais do que suficientes.

A banda sonora do grande John Williams também merece ser destacada, pois torna-se imediatamente icónica e merece todo o reconhecimento que tem.

The Phantom Menace, Attack of the Clones e Revenge of the Sith

Confesso que ia ver estes três filmes, que funcionam como prequela dos acontecimentos que levaram à criação do Império e a Darth Vader, com algum aborrecimento.

Ainda para mais, quando estava formatado com opiniões negativas que fui absorvendo ao longos dos anos. Se os originais eram adorados e eu tinha-os achado razoáveis (com a excepção de The empire Strikes Back), se calhar iria ter uma experiência horrível.

Mais valia estar quieto… ou não…

Star Wars The Phantom Menace

Não estive e devo dizer que não saí com nenhum esgotamento nervoso no final.

Os novos episódios são diferentes em muitos aspetos. Acho, sinceramente, que George Lucas quis tentar criar algo mais abrangente, mais épico e grandioso. Para isso optou por mostrar os jogos de bastidores e trouxe muita política para a equação.

Talvez tenha tornado a saga mais burocrática e complexa, mas penso que no final isso compensou. Perdeu-se um bocadinho do espírito dos filmes originais, é verdade, mas caraças o título do filme não é Star Wars?

E guerras, George Lucas deu!

Star Wars Attack of the Clones

Os filme continuam a ter os mesmo problemas. Personagens mal desenvolvidas, diálogos fracos, clichés e conveniência.

Mas a verdade é que George Lucas conseguiu passar-me aquilo que eu acho que pretendia mostrar com estes três filmes.

The Phantom Menace e Attack of the Clones são o equivalente ao episódio IV e VI (blasfémia isto que eu escrevi, eu sei caro fã) e Revenge of the Sith é o “novo” The Empire Strikes Back.

Star Wars Revenge of the Sith

Toda a “conspiração” dos Sith para acabar com os Jedi foi interessante, mas o melhor foi acompanhar a transformação de Anakin Skywalker em Darth Vader. Acho, inclusive, que Hayden Christensen esteve muito bem no papel, especialmente no terceiro filme.

Conclusão

Não fiquei fã de Star Wars.

Percebo a influência que poderá ter sido para a cultura popular (nomeadamente com o estabelecimento de um Universo que estimula a imaginação), mas acho que são filmes claramente overrated. Com várias falhas.

Não os achei maus filmes, mas muito menos excelentes. Para mim são razoáveis, com excepção do episódio V e III que achei melhores qualquer coisa.

Talvez exista demasiada nostalgia associada, não sei. Ou se calhar a magia deles é proporcional às falhas que apresentam e eu não consigo ver para além delas.

Ou se calhar eu sou um bastardo que não percebe puto disto e que está, claramente, equivocado. No final de contas, “toda a gente” adora Star Wars.

Darth Vader diria, “I find your lack of faith disturbing”. E eu aceitaria, mas encolheria os ombros e seguiria com a minha vida.

Autor: Ricardo JM Vieira

Tenho a mania das artes e acho que o sentido de humor é das melhores coisas inventadas pela humanidade. Eu, pelo menos, gostava de ter.

4 thoughts on “A minha jornada por Star Wars”

  1. Vens tarde uns anos valentes. São filmes que tem de ser vistos e compreendidos, consoante a época que foram feitos. É injusto vermos Star Wars (A New Hope), depois de tudo o que já influenciou e fez crescer noutros filmes. A métrica é hoje completamente díspar no jogo de diálogos e na velocidade que os mesmos correm.

    Basicamente a mestria de Lucas, revelou-se na visão que foi pegar em vários elementos já existentes e torná-los no maior exponencial de cultura pop, alguma vez saído do cinema. Foi buscar a trama de Julio Cesar (o romano) para transformar a Republica num Império, foi buscar os capacetes nazis, para Darth Vader e para os Stormtroopers, joga já nessa altura com a questão dos Clones… no fundo ele conta a história de um rapaz inocente, que a religião muda e destrói, na esperança de que ele fosse o salvador, quando no fundo tudo o que ele queria era amar, ser amado e proteger os seus.

    Mas enfim, eu tenho anos de Star Wars e anos do universo expandido do mesmo. Não é suposto serem brilhantes, é suposto fazerem-nos sonhar com as estrelas.

    Gostar

    1. Existem vários filmes que também cheguei “atrasado” anos valentes mas, mesmo assim, adorei-os. Mas percebo o teu ponto de vista. Concordo que seja um universo imaginativo e que possa fazer sonhar com as estrelas. Eu disse isso na minha opinião. E acho mesmo que os filmes não são brilhantes, quanto muito, a ideia por detrás deles pode ser. Agora, a execução e a forma como ela foi desenvolvida não me agradou por aí além.

      Obrigado pelo comentário.

      Gostar

  2. Podia comer todas as críticas que dás aqui, mas o Hayden Christensen ser bom ator? Epá….. Doeu-me essa🙂 De qualquer modo, boa write-up, um bocado tendenciosa (isso do overrated é tão relativo quanto desnecessário), mas é sempre bom apanhar outros pontos de vista que não os dos fãs esfomeados.

    Liked by 1 person

    1. Eu disse que gostei da interpretação do Hayden nestes filmes, especialmente no episódio III. Não disse que ele é bom ator (até porque não estou a par da carreira dele). Quanto a ser tendenciosa, não é o meu propósito prejudicar por prejudicar. Costumo tentar ver sempre nos filmes aspetos positivos, como vi em Star Wars e deixei explícito. Quanto a achar os filmes overrated, é uma opinião pessoal, como todas as que escrevo aqui, aliás. Como é pessoal, pode-se dizer que é relativo. Contudo, não acho que seja desnecessário. Pode-se é concordar ou não.🙂

      Liked by 1 person

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s