Predestination (2014)

Predestination

Filmes com viagens temporais terão sempre paradoxos. Penso que seja inevitável. Nunca se pode mudar nada do passado, porque se se muda alguma coisa, como é que isso aconteceu no presente? E isso vale igualmente para o futuro.

No entanto, é possível ignorar os paradoxos temporais. Esquece-los um pouco, e tentar apreciar a história. Sem complicar demasiado.

E foi exatamente isso que aconteceu com Predestination.

Sei, perfeitamente, que aquilo que acabei de assistir é um belo de um paradoxo (e do catano mesmo). Sei, que, nada poderia ter acontecido da forma como aconteceu. A lógica perde-se algures, se se pensar nisso.

Mas, merda para a lógica, em Predestination.

Quando um sujeito se senta ao balcão de um bar e faz uma aposta com o empregado, em como consegue contar-lhe a melhor história da sua vida, pensei para mim: mau, não me digas que vem aí muito blá, blá, blá, whiskas saquetas.

A verdade é que, vinte minutos depois, estava colado ao ecrã. Atento ao que ia acontecendo. Incrivelmente cativado pelo bizarra, triste e tocante história que o tal homem ia contando.

E, por essa altura, o filme ainda não estava em alto mar. Tempestuoso. Ainda eram águas calmas. Muito calmas. Mas, mesmo assim, já se notavam algumas ondas mais provocativas.

Vinha aí alguma coisa. E alguma coisa em grande.

E quando veio, o ciclo completou-se de forma brilhante.

É um filme mind-fuck, ou seja, preparem-se para serem surpreendidos e até, se sentirem meio perdidos com o que está a acontecer. É aquele filme que tem cenas que nos fazem pensar: “mas que merda? O quê? Como?”

E é também um filme que consegue ser um estudo bem pertinente, acerca da condição humana. Das nossas escolhas, da forma como encaramos o nosso destino. Se o podemos evitar. Se nos iremos tornar numa pessoa totalmente diferente daquela que éramos a dada altura. Se estamos predestinados, se temos algum objetivo maior reservado.

Excelentes interpretações de Ethan Hawke e Sarah Snooke. Principalmente de Snooke, que faz de duas pessoas diferentes, de forma excecional. E este é o seu primeiro filme! Estreia auspiciosa, devo salientar.

Cinematografia muito boa, com uma realização fantástica dos irmãos Spierig.

Predestination apanhou-me completamente desprevenido. Tirando o problema óbvio com os paradoxos, é uma história tão surreal, como tocante. Criou em mim um impacto que, sinceramente, não estava à espera.

Talvez quando o vir pela segunda vez, esse impacto seja bem menor. Por agora, é um filme que entra diretamente para as melhores experiências que tive em 2014.

Foi o último filme que vi no ano. Não podia terminar melhor.

Autor: Ricardo JM Vieira

Tenho a mania das artes e acho que o sentido de humor é das melhores coisas inventadas pela humanidade. Eu, pelo menos, gostava de ter.

2 thoughts on “Predestination (2014)”

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s