Halloween

Decidi rever um dos filmes marcantes de John Carpenter, do género do terror, da década de 1970 e do cinema em geral. Ufa! Parece ser um exagero, mas na realidade não é.

Halloween, quando surgiu, tornou-se num expoente de um género que viria a ganhar imensa popularidade. Hoje em dia, está demasiado batido mas, na altura, o Slasher movie era quase um “por caminhos nunca antes navegado”. Pelo menos, daquela forma.

Pronto, talvez esteja a exagerar um bocadinho, mas a verdade é que Carpenter elevou a fasquia em 1978. Um bocadinho à semelhança com o que Christopher Nolan fez com Batman Begins.

A partir desse ano, o género nunca mais foi o mesmo. Halloween estabeleceu standards, deu origem a várias sequelas e criou uma personagem icónica.

A história ocorre no dia em que os mortos são celebrados com abóboras nas janelas, e crianças a pedirem chocolates porta à porta. Um dia, que se vai revelar terrorífico para uma pequena localidade dos EUA, pois um indivíduo (“a incarnação do mal”, segundo o seu psicólogo) após fugir do sítio onde estava preso, começa a satisfazer os seus desejos sanguinários.

A história é bastante simples, mas é conduzida magistralmente por Carpenter. Talvez exista um exagero na forma como se tenta fazer de Michael Myers um demónio à solta. Toda aquela aura de misticismo, especialmente exagerada pelo psicólogo, faz com que Myers se torne numa entidade quase sobrenatural.

Isso depois contrasta, quando ele aparece e começa a chacinar. Vemos que, na realidade, ele é apenas um humano psicótico. Um humano psicótico com muita força, é certo, mas ainda assim um humano.

Digo eu…

Por isso, não gostei muito do final. Sei que fica no ar implícito que o mal nunca morre e tal… Mas, tantos tiros! Hum…

Ah e Jamie Lee Curtis ainda estava um bocado verdinha neste filme.

De qualquer maneira, Halloween é espetacular na atmosfera. Carpenter trabalha muito bem com a câmara, sendo simples e eficiente na forma como aborda o assassino e como o vai mostrando. Vai aumentando a expetativa gradualmente, sem cair na tentação de passar o mais rapidamente possível à parte do esventramento.

Alguns momentos são terríficos. Por exemplo,  a cena em que Michael Myers se disfarça de fantasma, com os óculos da sua anterior vitima para enganar a sua próxima vitima, está tão demente, como genial.

Depois, temos uma banda sonora maravilhosa. Incrivelmente adequada e que, quase imediatamente, fica associada ao filme. É simples (mais uma vez) mas muito eficiente naquilo a que se propõe: elevar o clima de ameaça e suspense.

Achei engraçado, quando vi imagens do filme The Thing. Será que John Carpenter fazia ideia que, anos mais tarde, iria realizar o remake (que recomendo vivamente) desse filme? Malandro, o nosso Carpenter!

Halloween é, sem dúvida, um expoente máximo do cinema de terror. Com 36 anos, mantém-se fresco, auspicioso e audaz. Tem talvez um bocadinho de exagero, especialmente no final, mas isso é subjetivo. É na sua “simplicidade” que mais brilha e que, a bem dizer, é uma lufada de ar fresco comparativamente à maioria dos filmes modernos, feitos para a malta com problemas de atenção.

Não estamos a ver um filme. Estamos a assistir a um pedaço de história do cinema.

2 thoughts on “Halloween (1978)

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s