A grande aposta da Disney para esta ano – com um investimento megalómano de 300 milhões de dólares – revelou-se também, um dos seus maiores flops de sempre.

Afinal, o que correu mal?

Em primeiro lugar, o marketing foi bastante insuficiente e mal feito. O que até não poderia ter sido um grande problema. Sim, existem diversos casos de sucesso que se devem muito ao mouth-to-mouth, ou  seja, ao passa palavra por quem assiste e gosta.

Mas, ao que parece, a qualidade de John Carter não foi suficiente para que esse fenómeno de massas acontecesse. E assim, a Disney teve prejuízos tremendos e a possibilidade de esta personagem se tornar num franchise saiu completamente gorada.

John Carter é uma personagem criada por Edgar Rice Burroughs (pai do Tarzan) há 100 anos atrás. Este filme é baseado no livro A Princess of Mars (o primeiro de 11 volumes da série Barsoom), e conta a história de John Carter, um veterano capitão de guerra que é inexplicavelmente enviado para Marte (ou Barsoom) e que se vê envolvido num conflito de proporções épicas.

Para quem procurar algo de novo, bem pode passar á frente. John Carter já foi visto demasiadas vezes no grande ecrã. A sensação de deja-vu poderá surgir algumas vezes, mas a verdade é que estamos a falar de uma adaptação de um conto com 100 anos.

Portanto, muitos dos filmes de ficção-científica de grande sucesso, foram inspirados por esta história de Edgar Rice Burroughs, e é sempre interessante assistir a um filme  com elementos que inspiraram, por exemplo, Avatar, Star Wars, Dune.

Pela “idade” da história, preparem-se para encontrarem imensas incongruências científicas.

Temos humanos em Marte que falam perfeitamente Inglês, naves gigantescas e raios capazes de aniquilar qualquer coisa mas, curiosamente, as batalhas na maior parte são feitas com recurso a espadas.

Porque raio, ficam tão surpreendidos com saltos gigantescos de alguém que diz ter sido teleportado da Terra?

A sensação com que se fica no fim é de frustração. Andam ali os Therns, seres imortais que controlam o poder (supostamente supremo) do 9º raio, a brincar aos deuses. Eles facilmente poderiam destruir John Carter, mas enfim.

Mas, para mim, o grande problema do filme é mesma a falta de empatia pelas personagens que, por culpa do argumento, não passa para o lado de cá.

E a motivação dada a John Carter para lutar pela princesa é do mais cliché e fraquinho que pode haver. Aliás, esse romance soa a falso por todos os “poros”.

No final, estava a assistir a um espetáculo de efeitos especiais (e neste departamento tenho que dar 5 estrelas), mas sem grande interesse pela causa.

O que não deixa de ser irónico, pois no final do filme, Carter até diz a um personagem para arranjar uma causa e para lutar por ela. Mas ali estava eu, a ver o filme, mas desconectado da causa pela qual Carter ia lutando.

Ao contrário de Brad Bird, que se estreou fora da animação com o porreiro Mission Impossible: Ghost Protocol, Andrew Stanton desiludiu um pouco.

John Carter sofre, penso eu, de um argumento que não soube equilibrar aspetos importantíssimos. Assim, no meio de alguns momentos genuinamente divertidos e sinceros (a forma como Carter aprende a andar, ou o seu primeiro contacto com a tribo de alienígenas, são um bom exemplo), temos bastante mais, desprovidos de emoção, pois Stanton não soube, ou não conseguiu, dar mais humanidade e desenvolvimento ás personagens.

Assim, eu não posso apoiar a causa de John Carter, pois não tenho grande motivação por ela… E assim, se mandam milhões para o charco e se perde uma oportunidade de realizar um grande filme.

Tars Tarkas: Did I not tell you he could jump!

imdb trailer

6/10

2 thoughts on “John Carter (2012)

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s