Planet of the Apes (1968)

«Somewhere in the Universe, there must be something better than man!»

Deveria ter visto este filme antes de ter assistido á sua prequela, Rise of the Planet of the Apes. De qualquer maneira, é quase sempre curioso e interessante, fazer o inverso e começar pelo início e não pelo fim de uma história.

Planet of the Apes é um filme de Ficção-Científica estreado em 1968 – curiosamente nesse mesmo ano também estreou um dos grandes clássicos e um dos melhores ensaios de Stanley Kubrick, 2001: A Space Odyssey – estrelado por Charlton Heston e dirigido por Franklin J. Schaffner.

O argumento é baseado no livro La Planète des Singes do autor Pierre Boulle, onde é descrito que num futuro longínquo, uma pequena tripulação de humanos que viajava pelo espaço, aterra num planeta aparentemente desolado e sem vida.

No entanto, após alguma exploração (que conta com uns planos fantásticos), a tripulação acaba por encontrar um sociedade semelhante a símios que domina o planeta. Mais curioso ainda, uma das espécies que os símios dominam são semelhantes aos humanos. Só que eles não falam e exibem comportamentos pouco evoluídos.

O filme exibe toda a gloriosa marca dos seus 44 anos, mas surpreendentemente, ou até não, consegue manter-se ainda muito atual na sua forte mensagem político-social.

A arquitetura escolhida para representar esta sociedade, assim como os comportamentos extremamente obtusos dos seus superiores face á ciência, e a preferência dada á religião, são assustadoramente, um reflexo de muito do que se passa com a humanidade.

Além do mais, acredito que tenha sido um marco em questão de efeitos especiais na altura. Claro que agora parecem um pouco ridículos e datados os macacos, ou melhor, os fatos de macacos, mas ainda assim, mantém-se um certo charme na caracterização, e na forma como os atores dão suporte a ela. Nomeadamente na forma como alguns caminham e fazem os trejeitos com a boca característicos dos macacos.

Depois tem um Charles Heston a “suar” coolness e por vezes num over-acting extremamente delicioso, uma banda sonora bem esgalhada, e um twist final arrebatador (com o berro do Heston incluído)!

Para quem, como eu viu a boa prequela do ano passado, irá reparar em pequenos pormenores que ligam os dois filmes, e por vezes esboçar aquele sorriso maroto de quem percebeu a papinha toda.

Um bom clássico do cinema. Agora não sei se deva ver as sequelas e o remake→ de Tim Burton. Tenho medo que após ver o remake tenha que gritar «God damn you all to hell!»

imdb trailer

8/10

7 thoughts on “Planet of the Apes (1968)

  1. Vê o do Tim Burton que vale sempre a pena perceber que ele fez um upgrade e não própriamente um mero remake. Também tem um final que te vai surpreender… e que não é facilmente explicável (permite imensas teorias para o justificar).
    Deste filme, que já não vejo há muitos e muitos anos (e o mesmo das sequelas dessa altura, que são na verdade até vistas como prequelas…), o que mais marca é precisamente a grande revelação que nos transmite o twist final (um dos mais célebres twists finais de um filme – algo que Shyamalan soube em ’99 dar novo interesse a este efeito narrativo).

    Não é por nada mas diria que o “Rise of…”(2011), até funciona melhor como possível prequela do filme do Burton que do filme original. Mas estou a falar por memória… mas de certa forma, colocaria o “Rise of Planet of the Apes” como prequela do filme de Tim Burton. É uma ideia…

    Gostar

  2. se deves ou não ver as sequelas e o remake do Burton, é contigo. As sequelas apenas vi muito recentemente e não chegam aos pés do clássico. Mas algumas até se vêem bem. O remake do Burton eu sou suspeito para falar. Eu gostei bastante, chegando a preferir em relação ao de 1968. Prefiro o ambiente escuro, mais de selva do filme. E tem um final que é preciso perceber. Lembro-me que na altura em que saiu o filme foi “trucidado” por grande parte da crítica. É dar uma hipótese…

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s