Gostei do trabalho de Greg Mclean em Wolf Creek e por isso fui investigar a sua carreira, que afinal é extremamente curta, pois conta com apenas 2 filmes e uma curta-metragem. De qualquer maneira, tratei de arranjar o último filme dele que se chama Rogue.

One of the rules of my tour is that you have only one chance to complain about the heat and flies. They are a fact of life up here and whinging about them all day isn’t going to make them disappear.

O argumento é muito curto girando á volta de um super-crocodilo assassino que viu o seu habitat natural ser invadido por um grupo de turistas durante um passeio. O bicho não gostou da invasão e obviamente que irá tratar de tratar da saúde de todos. Um por um.

Mas antes de começar a matança, Greg aproveita as belíssimas paisagens naturais da Australia dando a quem está a assistir, a oportunidade de assistir a lindos momentos, momentos em que a natureza mostra porque razão deve ser protegida.

E depois, Greg tem jeito com a câmara. Alguns pormenores, como quando um dos turistas deita as cinzas na água, são muito bons. Sim, o primeiro ato, totalmente dedicado á apresentação das personagens e do cenário é muito interessante e cativante. Ao contrário de Wolf Creek, não parece ser tão longo e aborrecido.

A partir do momento em que é apresentado o vilão do filme, Greg vai aumentando a tensão gradualmente. O crocodilo não é mostrado muitas vezes, pois até ao ato final, Greg apenas mostra pormenores do bicho, como por exemplo uma cauda a flutuar nas águas escuras do rio, ou as mandíbulas afiadas. Não mostra o animal todo e isso funciona, pois no final ainda ficamos surpreendidos com o tamanho dele!

Alright, the species we’re looking at today, the saltwater crocodile, is probably the most dangerous member of the crocodilian family. They’re pretty much living dinosaurs who have been perfecting their hunting skills over two hundred million years.

O crocodilo, feito em CGI e Animatronics, está bastante credível e é um vilão de respeito. O elenco, apesar de termos aquele romance entre dois desconhecidos algo cliché, está competente nos seus papéis (tirando a vítima do costume que acaba de perder a pessoa que mais ama e, 5 minutos depois, parece ter esquecido o que aconteceu). Radha Mitchell, Michael Vartan e Sam Worthington são os cabeças de cartaz do filme.

Rogue foi um agradável surpresa. Dos filmes que me lembro acerca de crocodilos assassinos, este é bem capaz de ser o melhor. É simples no argumento, mas tem um jovem realizador australiano a dar bastante substância á coisa, com vários pormenores deliciosos. Um realizador que irei acompanhar.

.imdb .trailer
7/10

4 thoughts on “Rogue (2007)

  1. Concordo plenamente com a tua opinião. E sim, Greg Mclean tem muito que se lhe diga, apenas tenho pena de não nos mostrar mais o seu talento criando outras produções. A ver vamos como irá correr o seu futuro.

    Gostar

    1. Olá, Miguel!

      Eu li algures que ele tinha tido problemas graves a nível pessoal, nomeadamente com a morte de alguém que lhe era muito querido, e por isso não tinha realizado mais nenhum filme. Mas posso estar a fazer confusão, pois não tenho bem a certeza.

      Uma coisa é certa, irei ver o seu próximo filme!

      Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s