Ubuntu 11.04 Natty Narwhal disponível

Foi disponibilizada no dia 28 de Abril a versão mais polémica, até á data, do Ubuntu. A causadora da polémica foi a decisão por parte da Canonical em colocar a interface Unity como default na distribuição Linux.

Polémicas á parte, e como o próprio Mark Shuttleworth disse no seu blogue, o Ubuntu deu um passo em frente e começou a trilhar um caminho á parte.

É difícil prever como irá ser o futuro do Ubuntu, mas ao ritmo que este sistema está a ser desenvolvido, melhorado e aprimorado, não faltará muito mais tempo para começar a atingir as massas.

A maior novidade, a tal que causou enorme burburinho na comunidade, foi a inclusão da interface Unity. A Unity consiste em:

  • Iniciador
  • Painel Superior
  • Dash

O iniciador é uma espécie de mistura entre a dock do sistema operativo da Apple e entre a Superbar do Windows 7. Está fixa do lado esquerdo do ecrã, o que é uma escolha acertada, uma vez que os ecrãs atuais são quase todos Widescreen e assim ganha-se espaço vertical. Pode-se adicionar atalhos das nossas aplicações favoritas, mudar o tamanho dos ícones, escolher entre estar sempre visível ou não, etc.

A Dash é, basicamente, o menu deste novo Ubuntu. Para aceder á Dash clicamos no símbolo do Ubuntu ou na tecla Super (normalmente aquela tecla com o símbolo do Windows). Uma vez lá, podemos aceder ás aplicações instaladas, procurar por um ficheiro,etc. Isto tudo feito em grande estilo.

O Painel Superior difere um pouco do Painel tradicional do Gnome.

Menu Global

A aplicação Menu Global está disponível por defeito neste Ubuntu. Agora, em vez de termos os menus na janela das aplicações, ela está no Painel Superior. Mas não é só os menus que surgem, pois os botões de fechar e maximizar também surgem no painel, assim que maximizamos uma janela. Tudo isto poupa espaço vertical o que é uma maravilha para ecrãs pequenos.

Overlay Scrollbars

As Overlay Scrollbars são uma inovação que no futuro, penso eu, irão estar em outros sistemas operativos. As barras de scroll agora são uma barras muito pequenas, pouso intrusivas que se tornam mais visíveis assim que colocarmos o rato sobre elas. Um efeito muito bonito. Pena ainda não estarem disponíveis para todas as aplicações.

Aplicações

As aplicações são quase todas as mesmas da versão anterior, mas ocorreram duas alterações. O Rhythmbox foi substituído pelo Banshee como leitor multimédia e o OpenOffice pelo LibreOffice como ferramenta de escritório. Para além disso, as milhares de aplicações disponíveis foram atualizadas para as suas versões mais recentes.

Outras Alterações

O Centro de Software do Ubuntu agora mostra análises e classificações escritas por quem quiser. Para além disso mostra recomendações baseadas nos hábitos dos utilizadores.

O Painel de Controlo do Ubuntu One, o serviço de armazenamento na Cloud do Ubuntu, sofreu uma remodelação no visual.

Podemos colocar as janelas lado a lado e arrasta-las para o topo para maximiza-las. Uma função semelhante ao Aero Snap do Windows 7.

Existem ainda muitas mais coisas novas a descobrir. Este novo Ubuntu está mais polido, mais bonito e muito mais moderno. A adaptação á nova interface será um pouco morosa, mas depois tudo sairá fluído. A Canonical arriscou e, quanto a mim, arriscou bem. O futuro só poderá ser auspicioso.

Links Úteis e fontes:

3 Comments

Deixe um Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s