Vinyan (2008)

Jeanne e Paul Ballmer são um casal que perdeu o filho no desastre do Tsunami de 2004, que assolou, entre outras regiões, a Tailândia. Devastados com a perda, e esperançados num milagre, visto que o corpo da criança não aparecera, o casal deixou-se ficar pela região.

Um dia, ao ver uma gravação de vídeo, Jeanne chama a atenção para Paul, e insiste que uma das crianças que aparece no vídeo é o seu filho. A partir daí, ambos partem, com a ajuda do misterioso Thaksin Gao, em buscado filho pelas misteriosas zonas de Burma.

Vinyan é um filme com uma cinematografia muito boa. Du Welz, o realizador, proporciona belos planos, servidos principalmente pelas paisagens lindíssimas de Burma. Esteticamente, não tenho nada a apontar. Existem algumas cenas que são filmadas com muita inteligência, como a cena em que Jeanne se atira à agua tentando desesperadamente encontrar o barco que desaparecera; o constante “afogar” da câmara, acompanhado do típico abafo sonoro e dos gritos de aflição do casal, dão a sensação do desespero que se vive no momento. Ou então quando Paul, julga ver uma criança à sua frente e resolve segui-la, penetrando a selva por entre a noite com uma candeia na mão; achei o efeito espectacular: sombrio, misterioso e etéreo. A parte sonora, essa, é perturbante e normalmente bem aplicada.

Rufus Sewell, Emmanuelle Béart e Petch Osathanugrah são extremamente competentes nas personagens que interpretam. Tanto conseguimos sentir a tristeza e o desespero de Jeanne, como de Paul. Mais para a frente, o desespero de Jeanne dá lugar á loucura, e Paul é credível na forma como tenta chamar a sua mulher à razão.

Pelo que já escrevi, parece provável que a nota que irei dar a este filme será boa. No entanto, essa não será a realidade. Apesar de uma bela cinematografia, de uma excelente estética e de interpretações notáveis, Vinyan falha no argumento e no que queria ser. Chegamos ao fim sem perceber muito bem o que se passou ali. Para além disso, existem diversas partes que mais parecem que foram incluídas apenas para queimar tempo. E que final foi aquele? Vinyan poderia ser um óptimo filme, mas acabou por perder-se no meio de tanta confusão argumentativa. Leva as 2 estrelas, apenas e só pela parte técnica. Não o consigo considerar fraco, pois achei muitas cenas extremamente belas.

6/10

Autor: Ricardo JM Vieira

Tenho a mania das artes e acho que o sentido de humor é das melhores coisas inventadas pela humanidade. Eu, pelo menos, gostava de ter.

2 thoughts on “Vinyan (2008)”

  1. Olá Ricardo,

    Eu vi o trailer e fiquei com muita vontade de ver o filme. E, mesmo eu sendo um pessoa bastante exigente no que toca a ver filmes (apenas vejo filmes com qualidade aprovada pelas análises e caso isso não seja suficiente, deixo de ver o filme a meio e ponto final), irei ver este pela ideia e, tal como referiste, pela qualidade visual em geral.

    Espero não me arrepender. =D

    Abraço,
    Cláudio Novais

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s