The Air I Breathe (2007)

The Air I Breathe

A história central acompanha o explosivo romance entre Pleasure (Brendan Fraser), um gangster que consegue ver o futuro, e Sorrow (Sarah Michelle Gellar), uma bela estrela pop em ascensão. Quando o contrato de Sorrow cai nas mãos de Fingers (Andy Garcia), um impiedoso barão do crime com aspirações a legitimar os seus negócios através da indústria do entretenimento, faz com que Pleasure tenha de escolher entre o coração e as suas visões do futuro.

Depois há a história de Happiness (Forest Whitaker), um intratável banqueiro que anda a tentar escapar da morte lenta que é o seu trabalho quotidiano. Depois de perder todo o dinheiro que pedira emprestado num esquema de jogo chefiado por Fingers, Happiness encontra-se numa encruzilhada entre fugir do seu destino ou confrontar os seus medos.

Finalmente, há a história de Love (Kevin Bacon), um médico que está apaixonado por Gina (Julie Delpy), a mulher do seu melhor amigo. Quando esta tem um acidente no laboratório, fica com apenas 24 horas de vida, a não ser que receba uma transfusão de sangue. O problema é que Gina tem um tipo de sangue muito raro, comum a apenas 2% da população. Love lança-se numa desesperada corrida para encontrar esse tipo de sangue, dando origem à definitiva colisão de destinos entre Sorrow, Pleasure, Love, Happiness e Fingers.

Este filme parecia ser promissor. Um bom elenco, um bom título e o cartaz era muito original. Com uma borboleta em cima de uma arma. Violência VS Liberdade ou VS fragilidade, foi o que pensei na altura. Faltava lá o Kevin Bacon que é um pouco injusto ter sido “sacrificado” e não aparecer no cartaz. Mas voltando ao filme; o início até que é bom e estava a parecer muito promissor, mas depois tudo se torna cada vez mais vazio. A pior parte do Ar que respiramos é mesmo o guião. As histórias são fracas e sem emoção. Por vezes existem boas frases e diálogos, mas no fim fico com uma grande sensação de que tudo foi muito forçado.

Tinha boas intenções, mas tudo se perde pelo caminho tornando-se num qualquer filme banal que não aquece nem arrefece. Alguém reparou num erro clamoroso no filme? Na entrevista a Sorrow? Reparem que quando Love (Kevin Bacon) está a ver a entrevista, a pop-star refere que possui um sangue muito raro. Mas quando ela foi entrevistada anteriormente essa pergunta não foi feita. Penso que estou correcto quanto a este facto. Erro muito grave. Tecnicamente achei tudo muito bem feito.

A edição, fotografia e banda sonora são mesmo o melhor que o filme tem para nos oferecer. E é isso que me faz dar uma nota mais positiva e ficar de olho no realizador. Houve por ali alguns pormenores muito interessantes, momentos bem filmados, cenas inspiradas e de grande beleza. O elenco de actores, no geral, estiveram bem. Não impressionam e por vezes parecem não conseguir “comunicar” com a audiência, mas talvez se deva ao argumento, que possui demasiados espaços vazios e sem nexo. Este filme poderia ser muito bom. J

á tivemos alguns na na linha deste. Um exemplo perfeito é o Crash. Mas O Ar Que Respiro ficou-se pela intenção e perdeu-se no meio de algum pretensionismo. Gostei de alguns pormenores do realizador e tecnicamente tudo muito bem. Mas, infelizmente, as partes vazias, desprovidas de emoção, confusas e forçadas, são muito mais que alguns rasgos de inteligência, bom gosto e talento.

O Ar Que Respiramos de Jieho Lee

trailer imdb

6/10

2 thoughts on “The Air I Breathe (2007)

  1. Ainda não tive oportunidade de ver este filme. Contudo, ainda não o vi porque de facto nunca me puxou muito. Nem o trailer ajudou.

    Abraço.

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s