Wall-E

An Adventure Beyond the Ordinar-E

Após centenas de anos sozinho a fazer o que foi programado para fazer, WALL-E (Waste Allocation Load Lifter Earth-Class) descobre um sentido na sua existência (para além de recolher desperdícios) quando conhece uma atraente robô chamada EVE. EVE apercebe-se que WALL-E tropeçou, sem saber, na resolução para o futuro da Terra, e corre de volta ao espaço para contar as suas descobertas aos humanos, que têm estado ansiosamente a aguardar por notícias que digam que é finalmente seguro voltar para casa.

Wall-E é um prodígio da animação, e é um feito maravilhoso em vários os sentidos. A Pixar mostra o seu novo rebento e estabelece um novo patamar de qualidade em filmes de animação que será muito difícil de atingir nos próximos anos.

O que mais impressiona neste filme é que durante os primeiros 40 minutos praticamente não existem diálogos. E, no entanto, este é o filme com mais sentimento do ano. “Uma imagem vale por mil palavras” aplica-se perfeitamente aqui.
Wall-E é incrivelmente cativante e certamente ficará na memória de muitas pessoas e arrisco a dizer que o casal Wall-E e Eve já terá o seu lugar ao lado de outros casais míticos. Ele é fascinante, inocente, muito desastrado e completamente adorável. A sua atrapalhação dá azo a muitos momentos hilariantes assim como a sua pureza e ingenuidade criam momentos espectacularmente tocantes. Eve no início não é propriamente a companheira ideal de Wall-E, mas ao longo do filme Eve começa-se a aperceber da apaixonante personalidade do “lixeiro” e percebe então qual a sua “verdadeira directriz”.

Algumas cenas já nascem clássicas como a dança no espaço ou o glorioso final que certamente arrancará algumas lágrimas.É irrepreensível o trabalho da Pixar que consegue fazer com que dois robôs toquem tanto na sensibilidade das pessoas.
Mas Wall-E não é só uma história de romance ou de amizade, é também uma mensagem simples: Preservem o Planeta Terra. Ele apenas precisa que alguém cuide dele.
A qualidade da animação é fabulosa e rapidamente conseguimos perceber o que Wall-E ou Eve querem exprimir graças, sobretudo, ao movimento dos olhos. Existem também diversas homenagens a outros filmes e uma que certamente mais saltará á vista é a 2001: A Space Odyssey com a personagem “Auto”.

Depois de Ratatouille somos brindados com Wall-E e a Pixar mostra que não é preciso muito para se dizer tanto. Não é preciso procurar mais para o Óscar para melhor animação.

Wall-E de Andrew Stanton

9/10

Autor: Ricardo JM Vieira

Tenho a mania das artes e acho que o sentido de humor é das melhores coisas inventadas pela humanidade. Eu, pelo menos, gostava de ter.

2 thoughts on “Wall-E”

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s